Terça-Feira, 22 de Outubro de 2019
Notícias sobre Games e e-Sports


Senadora lê carta de entidades de eSports na comissão PL 383/2017

O debate sobre regulamentação dos esportes eletrônicos (PL 383/2017) continuou no dia 9 de julho (terça-feira).  A comissão foi convocada…

Por Sandy , em Outros Games , data: 15 de julho de 2019 Tags:, ,


O debate sobre regulamentação dos esportes eletrônicos (PL 383/2017) continuou no dia 9 de julho (terça-feira). 

A comissão foi convocada para discussão do PL 383/2017

Durante a Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal, a senadora Leila Barros (PSB-DF) leu uma carta enviada pela Associação Brasileira de Clubes de eSports (ABCDE)

Confira o conteúdo da carta: 

“Excelentíssimo (a) Senador (a),

A Associação Brasileira de Clubes de eSports (ABCDE) que congrega os 20 principais clubes no Brasil, a Electronic Sports League (ESL) no Brasil, a maior liga de eSports do país e do mundo, e a Entertainment Software Association (ESA), a maior associação de editores (publishers) de softwares de entretenimento do mundo, vêm por meio desta solicitar o apoio de Vossa Excelência para manter no Senado o debate acerca do Projeto de Lei do Senado 383 de 2017, de autoria do Excelentíssimo Senador Roberto Rocha, que dispõe sobre a regulamentação da prática desportiva eletrônica e que foi aprovado no dia 9 de julho, sob regime terminativo, na Comissão de Educação, Cultura e Esporte.

Entendemos que seja necessário que esse projeto seja discutido de forma mais ampla com partes interessadas, sejam elas atletas de esportes tradicionais ou competidores e empresas de eSports. Hoje, existem cerca de 26,5 milhões de simpatizantes de eSports no Brasil – o terceiro maior público do mundo (crescimento de 18,7o/o entre 2017 e 2018) em um setor que movimentou globalmente R$ 3.3 bilhões em 2018, a maior parte em patrocínios, e com previsão de triplicar de tamanho até 2022. O crescimento vertiginoso no Brasil e no mundo deu-se sempre num contexto de auto-regulação do segmento, de forma a permitir o pleno direito à livre iniciativa por parte de publishers e de um vasto ecossistema de empresas e prestadores de serviços que juntos trabalham para criar, financiar, organizar e apoiar torneios cuja audiência alcançou 400 milhões de pessoas em todo o mundo no ano passado.

A necessidade de criação de estruturas que “controlem” os eSports carece de maior discussão de forma a alinhar o país às melhores práticas mundiais. E preciso ter cautela em avançar numa direção que possa desviar o Brasil de uma trajetória até agora muito bem-sucedida e com grande potencial de sucesso num futuro próximo. Reiteramos, assim, nossa solicitação de estender o debate acerca do Projeto de Lei 383 de 2017 no Senado de forma a permitir que todos aqueles que têm interesse no assunto possam ser ouvidos de forma adequada e democrática.

Permanecemos a sua disposição para quaisquer esclarecimentos (…). ”

Entenda a situação

O problema aqui, é que Leila já protagonizou um pequeno escândalo ao dizer, categoricamente, que “Isso não é esporte!”

Uma de suas falas, durante um dos debates do PL 383/2017, a senadora diz:

“Nós estamos falando sobre as questões éticas, morais dos jogos eletrônicos, mas quando se fala de esporte, tem que ser ouvida a comunidade esportiva porque existe uma preparação para ser atleta, para se entrar em quadra e representar um país, uma liga ou uma empresa. O alto rendimento é isso. É uma entrega”

Embora tenha se desculpado, disse que seu posicionamento tinha relação apenas com os jogos violentos. O que é consideravelmente controverso, já que ela se referiu à preparação e não ao conteúdo dos games.

O Senado, apesar de estar atuando nesse processo, mostrou-se visivelmente tradicionalista, ao retirar da abrangência da regularização os jogos violentos.

O que é controverso de acordo com a cultura do país. Afinal, pessoas podem dar socos e sangrarem (de verdade) em um ringue de MMA, mas não atirar em personagens fictícios?

Por enquanto, as discussões sobre o Projeto de Lei continuam.

Enquanto isso, a não regularização da atividade dá margens à praticas ilegais com jovens e adolescentes.

Traremos mais novidades em breve! Aqui no The Game Times!

Compartilhe isso...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

  Inscreva-se  
Notifique me quando